Recifes de corais em risco de dissolução: estudo

Por Alister Doyle23 fevereiro 2018
© Alexstar / Adobe Stock
© Alexstar / Adobe Stock

Os recifes de corais poderiam começar a dissolver-se antes de 2100, uma vez que a mudança climática produz a acidificação dos oceanos, disseram cientistas nesta quinta-feira.

Acidificação ameaçará os sedimentos que são blocos de construção para recifes. Os corais já enfrentam riscos de temperaturas oceânicas, poluição e sobrepesca.
"Os recifes de corais irão transição para a dissolução da rede antes do final do século", escreveu a equipe de cientistas liderada pela Austrália no jornal Science dos Estados Unidos. A "dissolução líquida" significa que os recifes perderiam mais material do que ganham com o crescimento dos corais.
O dióxido de carbono, o principal gás com efeito de estufa produzido pelo homem, forma um ácido fraco na água e ameaça dissolver os sedimentos do recife, feitos de pedaços de corais e outros organismos carbonatados que se acumulam ao longo de milhares de anos.
Os sedimentos são 10 vezes mais vulneráveis ​​à acidificação do que os pequenos animais de coral que também extraem produtos químicos diretamente da água do mar para construir esqueletos de pedra que formam recifes, segundo o estudo.
Os animais de coral poderão continuar crescendo e reabastecer os recifes muito depois que os sedimentos arenosos começam a se dissolver, disse o autor Bradley Eyre, da Southern Cross University, à Reuters.
"Isso provavelmente reflete a capacidade dos corais de modificar seu ambiente e se adaptar parcialmente à acidificação do oceano, enquanto que a dissolução das areias é um processo geoquimico que não pode se adaptar", escreveu ele em um e-mail.
O relatório disse que era "desconhecido se todo o recife se esgrimasse uma vez que os sedimentos se tornassem dissolução líquida" e se os recifes "experimentariam destruição catastrófica" ou simplesmente uma erosão lenta.
Alguns sedimentos de recifes já estavam começando a dissolver, como na Baía de Kaneohe no Havaí, onde outros poluentes contribuíram.
Eyre disse que não estava claro se a dissolução de sedimentos poderia ser uma ameaça a longo prazo para ilhas inteiras, do Pacífico para o Caribe. Outros estudos dizem que cortes profundos nas emissões de gases de efeito estufa podem limitar a acidificação.
A maioria dos estudos mostra que a acidificação será grandemente ruim para a vida oceânica, criaturas também ameaçadoras, como ostras, lagostas e caranguejos. Outro estudo na quinta-feira, no entanto, descobriu que isso poderia ajudar o crescimento de algumas plantas.
"Um aumento do dióxido de carbono no oceano, teoricamente, poderia estimular o maior crescimento de algas marinhas e algas marinhas", escreveu em um comunicado Kasper Hancke, biólogo do Instituto Norueguês para a Pesquisa da Água.
(Reportagem de Alister Doyle, edição de Janet Lawrence)
Categorias: Ciência Marinha, De Meio Ambiente, Notícia, Observação do oceano