Fall from Grace: Batista Obtém 30 Anos de Corrupção

Brad Brooks16 julho 2018

Eike Batista, ex-minerador e magnata do petróleo que já foi o homem mais rico do Brasil, foi condenado a 30 anos de prisão por subornar o ex-governador do estado do Rio de Janeiro, de acordo com um documento do tribunal publicado na terça-feira.

A condenação e sentença de Batista pelo juiz federal Marcelo Bretas são as últimas de uma onda de investigações de corrupção que levaram dezenas de poderosos empresários e políticos à cadeia.

A ascensão e queda meteórica do ex-bilionário exuberante espelhou as recentes fortunas do Brasil, onde o boom das commodities diminuiu quando seu império de energia, minerais e logística se desfez no início desta década.

Sua atitude de fanfarrão e suas previsões confiantes de uma era dourada prolongada para o Brasil evaporaram justamente quando a maior economia da América Latina sofreu sua pior recessão já registrada.

Batista, cuja equipe jurídica disse que apelaria, foi considerado culpado de pagar US $ 16,5 milhões de propina ao ex-governador do Rio, Sergio Cabral, que também foi considerado culpado no caso.

As empresas de Batista ganharam contratos estatais em troca do suborno, incluindo uma que concedeu ao consórcio os direitos de dirigir o templo do futebol brasileiro, o Maracanã no Rio, o estádio onde foi disputada a final da Copa do Mundo de 2014 e as cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos Olímpicos de 2016. foram realizadas.

Os subornos também estavam ligados à construção da instalação portuária de US $ 3,7 bilhões do Açu, controlada desde 2013 pela Prumo Logistica, que é de propriedade majoritária da EIG Energy Partners, com sede nos EUA.

Os promotores disseram que Batista pagou um quarto dos subornos a Cabral em dinheiro e o restante em ações da petroleira estatal Petróleo Brasileiro SA, da mineradora Vale SA e da empresa de bebidas Ambev SA, uma unidade da Anheuser Busch Inbev NV.

Batista foi multado no ano passado em 21 milhões de reais (US $ 5,4 milhões) por trocar ações com base em informações privilegiadas sobre a empresa de construção naval OSX Brasil.

A decisão de terça-feira foi a sexta condenação por corrupção de Cabral, condenado a mais de 120 anos.

Seis anos atrás, Batista, 61, tinha um patrimônio superior a US $ 30 bilhões e se classificou entre as 10 pessoas mais ricas do mundo, de acordo com a revista Forbes, e ele declarou que logo ficaria no topo da lista.

Ele se sentou no topo da EBX, então um dos conglomerados industriais mais expansivos do mundo, com unidades que vão desde petróleo e navegação até entretenimento e beleza.

No entanto, Batista fez grandes apostas em jogos de petróleo offshore que não deram certo e a extensão de um boom de commodities que fracassou ao inflacionar as esperanças dos investidores.

(Reportagem de Brad Brooks Reportagem adicional de Ricardo Brito em Brasília Edição de Bill Trott)

Categorias: Atualização do governo, Atualização do governo, Energia Offshore, Legal, No mar