Dados AIS: História e Futuro

Dennis Bryant10 maio 2019
Fonte: MarineTraffic.com
Fonte: MarineTraffic.com

O Sistema de Identificação Automática (AIS) foi desenvolvido com o único objetivo de melhorar a segurança marítima, permitindo que navios próximos um ao outro trocassem automaticamente informações sobre seu nome, curso, velocidade, tipo, carga, etc. A troca dessas informações permitiria policiais em cada navio para tomar melhores decisões quanto à possibilidade de encontros imediatos e a necessidade de mudar de rumo e / ou velocidade. Também tornaria mais fácil para um navio entrar em contato com o outro por rádio-telefone para, esperamos, remover qualquer dúvida. Nessa medida, o AIS funcionou em grande medida como pretendido, embora as colisões continuem a ocorrer.

Não demorou muito, porém, para os governos se envolverem. Eles começaram a instalar receptores baseados em terra para monitorar transmissões AIS de navios que se aproximavam, em um ponto que estava além do horizonte. Esses governos também poderiam monitorar navios em portos e transitar pela costa ou por vias navegáveis interiores. Os Estados Unidos incorporaram esses dados em seus programas de segurança marítima ou de domínio marítimo. Os governos também utilizam os dados para analisar as vítimas marítimas e determinar o uso da hidrovia. Uma grande quantidade de dados AIS é coletada por governos em todo o mundo, que compartilham muitos desses dados entre si. Há também empresas comerciais que coletam dados AIS, incluindo vários que utilizam satélites para coletar esses dados de navios em alto-mar fora da faixa de receptores AIS baseados em terra.

Os governos agora estão usando o AIS de uma maneira inovadora criando auxílios virtuais para navegação que fornecem um sinal AIS para marcar os perigos à navegação em locais onde não existe um auxílio físico para a navegação. O auxílio virtual aparece no sistema eletrônico de exibição de cartas e informações (ECDIS) de navios dentro do alcance e eles sabem (ou deveriam saber) para evitar a localização. Combinando dados AIS com outras informações, como fotos de aeronaves de vigilância ou satélites, correlações podem ser feitas entre embarcações individuais e incidentes de poluição. O uso de dados AIS de serviços comerciais pode permitir que comerciantes e outros acompanhem embarcações (e suas cargas) em todo o mundo, dificultando a chegada inesperada de embarcações e a influência de um mercado.

Como aprendemos em um relatório recente do Comitê dos EUA sobre o Sistema de Transporte Marítimo (CMTS), três agências federais geram informações derivadas de AIS terrestre. A Guarda Costeira dos EUA se concentra principalmente em áreas costeiras, portos e portos. O Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA (USACE) concentra-se em produtos AIS para vias navegáveis interiores. A Saint Lawrence Seaway Development Corporation (SLSDC) concentra-se na St. Lawrence Seaway e águas associadas.

Diversas outras agências federais utilizam dados AIS para promover suas missões. A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) utiliza dados AIS para monitorar e analisar a atividade pesqueira; melhorar a proteção dos mamíferos marinhos; e priorizar os gráficos e levantamentos com base nos volumes de tráfego medidos. O Gabinete de Gestão de Energia Oceânica (BOEM) utiliza dados AIS para apoiar suas necessidades de planejamento marinho associadas ao desenvolvimento de energia no mar.

O Sistema de Informações de Segurança e Segurança Marítima (MSSIS) é uma rede de compartilhamento de dados de governo a governo operada pelo Departamento de Transporte. Ele combina dados de AIS de 74 países participantes em um único fluxo de dados em estado bruto que coleta mais de 150 milhões de relatórios de posição de embarcações por dia de aproximadamente 60.000 embarcações. Os dados combinados estão disponíveis em vários formatos diferentes para os governos participantes e agências federais.

A NOAA e o BOEM gerenciam conjuntamente o MarineCadestre.gov, um visualizador e repositório de dados marinhos baseado em SIG (Sistema de Informações Geográficas) que fornece ferramentas de apoio à decisão para a implantação de energia offshore, aquicultura e outras atividades.

Como os dados do AIS estão armazenados nos dispositivos Electronic Chart Display e Information System (ECIS) transportados na maioria dos navios envolvidos no comércio internacional, ele se tornou o local de referência para os investigadores de acidentes marítimos e, no caso de litígios, para assessoria jurídica. Quase todos os relatórios de vítimas marítimas publicados pelo Estado de bandeira ou estado do porto incluem dados AIS e uma análise dos movimentos de todos os navios envolvidos na vítima com base nesses dados. Entrevistas de tripulantes ainda são importantes, mas os movimentos reais de navios, conforme registrados nos dados do AIS, tendem a ser o fator dominante na análise - e sempre prevalecem no caso de conflitos entre diferentes fontes de informação. Os dados do AIS não revelam por que ações específicas foram tomadas, mas quase sempre é dado peso total para determinar quais ações foram tomadas.

O AIS expandiu-se muito além do seu propósito original e é difícil imaginar operações marítimas no ambiente complexo de hoje sem ele. Não é, no entanto, uma panacéia. O Sistema de Identificação Automática é claramente uma ferramenta importante, mas deve continuar a ser usado com cautela, reconhecendo seus limites inerentes, bem como as possibilidades futuras, incluindo o aumento da prevalência de navios automatizados.

Categorias: Atualização do governo, Atualização do governo, Eletrônica Marinha, Navegação